PRINCIPAIS NOTICIAS
‘Junho Violeta’: Volta Redonda reforça proteção ao idoso com informação e combate à violência diariamente

‘Junho Violeta’: Volta Redonda reforça proteção ao idoso com informação e combate à violência diariamente

Secretaria Municipal de Ordem Pública atua com patrulha especializada e palestras que levam orientações sobre os direitos da Melhor Idade

 

Junho foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) como mês de conscientização e combate à violência contra os idosos, sendo batizado como “Junho Violeta”. Em Volta Redonda, a proteção e o cuidado com essa parcela da sociedade são diários. Desde a criação da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), em outubro de 2021, uma série de ações vem sendo promovida a fim de garantir o cumprimento dos direitos da Melhor Idade, com a atuação de uma patrulha especializada e palestras que levam informações a diversos cantos da cidade.

Com a entrega de exemplares do Estatuto da Pessoa Idosa e explicações sobre a legislação em vigor, a Semop já capacitou 5.400 pessoas, a maioria idosos. Ao todo, foram 74 bairros visitados pelo serviço, que é pioneiro no estado e conta também com a Patrulha de Proteção ao Idoso, que atua no combate em situações de violência e realiza o acompanhamento de vítimas de maus-tratos e abusos. O trabalho é feito de forma integrada com as secretarias de Esporte e Lazer (Smel) e de Assistência Social (Smas), além da delegacia da Polícia Civil (93ª DP), por meio do Nuai (Núcleo de Atendimento ao Idoso).

Segundo o secretário municipal de Ordem Pública, coronel Luiz Henrique Monteiro Barbosa, a maioria dos crimes em Volta Redonda é praticada por pessoas próximas, seja por desconhecimento da lei, condições socioeconômicas precárias ou até mesmo falta de preparo ao cuidar dessas pessoas fragilizadas.

“Percebemos que muitos idosos sofriam violência, mas não tinham conhecimento sobre os seus direitos, assim como os próprios agressores. Não adiantava termos o Nuai, a Patrulha de Proteção ao Idoso, se eles desconheciam os seus direitos. Por isso, temos percorrido diversos grupos de convivência (da Smel e da Smas) e divulgado a legislação. Os nossos atendimentos são diários e estamos avançando”, disse o secretário.

Luiz Henrique destacou ainda que é importante que qualquer pessoa seja capaz de identificar uma situação de abuso e procure canais apropriados de denúncia.

“Queremos que todos os moradores de Volta Redonda conheçam esse trabalho de proteção aos idosos, sejam capazes de reconhecer uma situação de violência e procurem a ajuda necessária, seja através da Patrulha do Idoso, do Nuai, na delegacia da Polícia Civil, pelo ‘Advogado Social’ da Smas ou Disque Direitos Humanos, o Disque 100 (serviço nacional)”, afirmou Luiz Henrique.

“É um trabalho consistente e que já estamos levando para outros municípios, inclusive com indicação do deputado estadual Munir Neto e aprovada na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), para que o serviço seja implementado em todo o estado do Rio”, concluiu o secretário.

Fortalecimento dos direitos dos idosos

A Semop promoverá no próximo dia 15, das 9h ao meio-dia, no térreo da Biblioteca Municipal Raul de Leoni, na Vila Santa Cecília, um movimento de rua pelo fortalecimento dos direitos dos idosos com ações culturais e esportivas. O evento conta com a parceria do Instituto Dagaz, que lançará o projeto “Cinestesia às Margens”, e apoio da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Volta Redonda (AAP-VR), das secretarias de Assistência Social (Smas), de Esporte e Lazer (Smel) e Cultura (SMC), do Conselho do Idoso, da Operação Segurança Presente e da Polícia Civil (93ª DP).

Número de denúncias cresce em 2024

Dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH) mostram que houve um aumento no número de denúncias de violações contra pessoas de 60 anos de idade ou mais no país em 2024, em comparação com 2023. Somente nos três primeiros meses deste ano foram registradas 42.995 denúncias de violações, número maior que os do mesmo período do ano passado, com 33.546 registros, e de 2022, com 19.764. Entre os abusos mais comuns este ano, destaques para negligência (17,51%), exposição de risco à saúde (14,68%), tortura psíquica (12,89%), maus-tratos (12,20%) e violência patrimonial (5,72%).

Fotos: Divulgação/Semop

Pin It

Últimas Notícias