PRINCIPAIS NOTICIAS
Festival Visões Periféricas começa dia 2 de março de forma híbrida

Festival Visões Periféricas começa dia 2 de março de forma híbrida

Começa na próxima quinta-feira (2) a 16ª edição do Festival Visões Periféricas, de forma híbrida – nos formatos presencial e online – e gratuita para todo o Brasil. O festival é uma plataforma de difusão de filmes de curta, média e longa-metragem e de desenvolvimento de projetos audiovisuais produzidos nas periferias brasileiras.1677404228 137 ebc1677404229 445 ebc

A exibição presencial será de 2 a 6 de março nos cinemas Estação Net Rio, Estação Net Botafogo, Cine Teatro Eduardo Coutinho (Biblioteca Parque Manguinhos) e CineCarioca Nova Brasília, todos no Rio de Janeiro. Os filmes da Mostras Fronteiras Imaginárias, Panorâmica e Visorama serão exibidos no site do Visões Periféricas, nos dias 7 e 8 de março. Nesses dois dias, a competição será online, com votação dos internautas.

O festival realiza também este ano a Mostra Itaú Cultural Play, com exibição de dez filmes, entre longas e curtas-metragens, totalmente de graça, para todo o Brasil, no site do Itaú Cultural.

Considerado vanguardista por ter sido o primeiro festival no Brasil a oferecer ao público a sua exibição em formato híbrido, em 2014, o Visões Periféricas é pioneiro, também, em privilegiar, por meio de sua curadoria e temática, filmes produzidos por realizadores que vivem nas periferias do país.

Filmes

Este ano, o festival exibirá, ao todo, 78 filmes de longa, média e curta-metragem, distribuídos nas mostras Fronteiras Imaginárias, incluindo filmes de até 30 minutos, produzidos por realizadores independentes de todo o Brasil; Cinema da Gema, com filmes de até 30 minutos produzidos no estado do Rio de Janeiro; Panorâmica, com filmes com duração de pelo menos 40 minutos (média e longa metragens); Visorama, contendo filmes de até 15 minutos, produzidos em projetos de formação audiovisual no ensino básico e médio ou projetos do terceiro setor, na Mostra Homenagem e na Mostra Itaú Cultural Play, além dos longas de abertura e de encerramento do festival.

Leia Também  Evento debate redução de emissões provenientes do desmatamento

O filme de abertura é A Invenção do Outro, de Bruno Jorge. A sessão será no dia 2 de março, às 19h, no Estação Net Rio (Sala 5). Será a primeira exibição do filme no Rio de Janeiro. O documentário foi o grande vencedor do 55º Festival de Brasília e traz o registro inédito do indigenista Bruno Pereira, assassinado no ano passado, liderando a expedição da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) na Amazônia para tentar encontrar e estabelecer o primeiro contato com um grupo de indígenas isolados da etnia dos Korubo, em estado de vulnerabilidade.

A Mostra Homenagem, da edição 2023 do festival, presta, no dia 4 de março, às 19h, no Estação Net Botafogo (Sala 3), homenagem ao cineasta indígena Takumã Kuikuro e à Kaitsu Filmes Produções – Coletivo Kuikuro. Será exibido o filme As Hiper-Mulheres, de Takumã Kuikuro, Leonardo Sette e Fausto Carlos, com realização de debate após a exibição do documentário, que contará com a presença do cineasta.

As sessões presenciais das mostras competitivas no Estação Net Botafogo contarão com debates com os realizadores, após a sessão.

Leia Também  Saiba como será o concurso unificado para o serviço público federal

Premiação

No dia 6 de março, haverá cerimônia e sessão de premiação do festival, às 19h, no Estação Net Botafogo (Sala 1), com exibição do documentário, inédito no Rio de Janeiro, Mandado, de Brenda Melo Moraes e João Paulo Reys, que conta com entrevistas de moradores da Maré e da vereadora Marielle Franco, assassinada no dia 14 de março de 2018, aos 38 anos.

O idealizador do festival e um de seus curadores, Marcio Blanco, disse que os filmes das mostras competitivas serão avaliados por um júri técnico e premiados com troféu, prestação de serviços na área de produção e pós-produção e bolsas de estudos em cursos de audiovisual. O filme com maior votação online por parte do público em cada mostra competitiva será premiado.

Segundo Marcio Blanco, em 16 anos de realização, o Festival Visões Periféricas se consolidou como projeto único e inovador de difusão audiovisual no país e de formação de rede e inserção do jovem realizador de periferia no circuito nacional de festivais no mercado audiovisual.

“O Visões tem o mérito de ter sido o primeiro festival no Brasil a assumir a missão de revelar uma geração de jovens realizadores com origem nas periferias brasileiras”, disse.

O conceito de periferia no festival é abrangente, incluindo filmes de realizadores de comunidades quilombolas, aldeias indígenas, favelas, negros e mulheres. “Além disso, estamos sempre discutindo a periferia a partir dos filmes, selecionando aqueles que trazem um olhar inovador e esteticamente potente”, disse Marcio Blanco.

Leia Também  Banco Central tem autonomia, mas não é intocável, diz Lula

Laboratório

Além das mostras, o festival promove o Visões Lab, um laboratório de desenvolvimento de projetos de longas de ficção que vão receber mentoria nas áreas de roteiro, direção e produção executiva. Os projetos selecionados este ano, passarão por uma rodada de pitching (exposição clara do projeto a ser vendido) com representantes do mercado. Os projetos vencedores receberão prêmios em dinheiro e prestação de serviço.

Participam da banca as empresas Vitrine Filmes, Elo Company, Globo Filmes, Canal Brasil, Prime Box Brasil, Galeria Distribuidora e Produtora e TêmDendê Produções.

O Festival Visões Periféricas tem patrocínio do Itaú Unibanco, por meio da Lei Rouanet, e apoio da RioFilme, órgão que integra a Secretaria de Cultura da prefeitura carioca.

Os estados com filmes contemplados nesta edição do festival são Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Amazonas, Acre, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Paraíba, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

, Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil

Fonte: Agência Brasil

Últimas Notícias